sexta-feira, 19 de maio de 2017

Never say never

Estou passando por aqui pra dizer que estou na academia já faz pouco mais de 02 meses/ 10 semanas/ horas de treinos intermináveis/ litros de suor/ milhares de causos pra contar.

Uau Priscila, mas não era você que dizia que nunca faria academia porque morre de vergonha e que só faria pilates pro resto da sua vida e blá, blá, blá?

Pois é amiguinho, eu sei! rs  Pra começo de conversa eu não deixei de pilatear e juro que já aprendi a lição: 






Mas o foco de hoje não é a minha experiência na academia, apesar de estar ♥in love♥. O que quero deixar registrado mesmo é um momento único/ inigualável/ incomparável que aconteceu na semana passada.

"Eu estava toda empolga, feliz e dedicada fazendo meus 10 minutinhos de esteira antes do treino. Entre uma música e outra da minha playlist "workout songs" - sim, eu tenho até playlist pra malhar-  tentei dar aquela olhadinha marota no espelho e fui surpreendida ao ver o rapazinho da esteira ao lado dando uma CATARRADA MONSTRA/ BELA CUSPIDA na esteira e dando uma olhadinha pra ver se o 'negócio' rolava pra debaixo do aparelho. Ainda bem que eu estava segurando no apoio que fica na esteira, porque juro que precisei de um suporte extra pra continuar em pé...rs 
E qual a pior parte desta cena? N-I-N-G-U-É-M VIU NADA, só euzinha! Imagine só você nesta situação sem poder compartilhar nem ao menos um sorrisinho com alguém? Pois é, not easy! O Rapaz seguiu a vida dele como se N-A-D-I-N-H-A tivesse acontecido e eu tentei fazer o mesmo, sem tanto sucesso, eu acho. hahaha"


Eu antes de ver o que vi

Qual a moral da história?
A academia pode ser um lugar muito mais interessante que você imagina!

Um abraço,

P!

segunda-feira, 17 de abril de 2017

O barulho ensurdecedor do silêncio





Meu blog desde sempre foi um diário. Uma forma que encontrei para falar sobre assuntos que gosto, falar sobre e minha rotina e deixar algumas coisas registradas.

E você sabe qual é a pior parte sobre ter um 'blog-diário', pelo menos no meu caso? Não conseguir escrever algumas coisas porque você não quer realmente pensar nelas...

Já são dias/ meses sem escrever por aqui, não por falta de assunto, mas por medo de enfrentar alguns fantasmas que vez ou outra me assombram. A saúde física melhorou, a disposição física também por consequência, mas algumas neuras insistem em ficar e elas estão vencendo e me paralisando nos últimos tempos...

Tentei passar por aqui diversas vezes para começar a digitar e refletir sobre algumas coisas, poque extrovertido é assim, não é mesmo? Pensa enquanto coloca as coisas pra fora... Mas aí é que o problema mora, como que faz pra conseguir colocar os essas coisas todas pra fora? Não sei também.

E enquanto eu procuro alguma forma de entender melhor tudo o que está acontecendo de ruim, mesmo com a vida aparentemente 'muito bem obrigada' vou escrevendo por aqui, comentando uma série ou outra, falando sobre assuntos aleatórios, porque lá na frente quero olhar pra esse diário e não pensar que 2016 e 2017 foram anos que eu não vivi.

Um abraço,

P.

quarta-feira, 15 de fevereiro de 2017

Livros de adolês, my guilty pleasure

A cada dia mais eu tenho certeza de que eu sou uma eterna adolescente (e dependendo do dia criança também)...rs

Às vezes eu dou a desculpa do meu trabalho pra justificar minhas roupas, meu gosto musical, o fato de conhecer todos os astros teens do momento e por aí vai. Mas lá no fundo mesmo o se tem uma coisa que a gente gosta é de coisa de adolescente e ponto final.  rsrs

Ler livros que a meninada gosta então é um dos meus hobbies! E é lógico que se você me perguntar, eu já li tudo quanto é modinha de livro que virou filme (a série dos Jogos Vorazes, a série Divergente, A Culpa é das Estrelas e afins).

A cada um dos livros eu vivo cada capítulo com os personagens e a cada final de livro eu vivo a separação e o luto de forma intensa.

Nossa Priscila, mas você acabou de escrever que faz isso também com séries do Netflix, estou ficando preocupado(a) com você!

Pois é amiguinho(a), pode ficar. Eu também fico.


Os últimos livros que eu li são uma série da Kiera Cass chamada 'A Seleção'. E só posso dizer: Eita nóis! Comé que faz pra parar de ler esse trem, meu povo?!

Pode ser muito água com açúcar pra galera mais intelectualizada que eu ler esse tipo de livro, mas eu curto e curto muito. 

Acho muito bonitinho os romances, os ideais de vida e as lutas desses personagens que se entregam totalmente a uma causa e vivem intensamente cada momento.

Nos livros da Seleção, por exemplo, eu chorei, eu ri, eu me assustei, fiquei com raiva, fiquei com nojo e me apaixonei por vários personagens várias vezes.

A escrita da autora é gostosa demais e a história se passa num futuro nem tão distante, em que as pessoas são divididas em castas até que alguém se incomoda com o esquema que está vivendo, inicia  uma revolução e blá blá blá... rola a revolução, rola casalzinho fofo, rola discussão...

Eu sei, esse é meio que o enredo de quase todos os outros livros que eu citei no comecinho do post, mas mesmo assim, achei A Seleção bem especial.

A ideia desse post nem é escrever uma resenha detalhada ou fazer você sair comprando o box de livros pra ler também, até mesmo porque eu nem sei como fazer isso de uma forma legal.

Eu estou escrevendo esse post apenas pra dizer que muita gente me critica ou me olha torto por gostar disso ou daquilo (e eu sei que isso acontece com todo mundo), mas pouca gente vê o quanto eu realmente gosto disso e o quanto isso me faz bem.

Eu gosto de super herói, gosto de modinha no Face, gosto de usar os aplicativos do momento... ser assim me proporciona experiências lindas com as crianças no meu trabalho, me ajuda a me divertir pra caramba e rir muito quando estou com meus primos mais novos, além disso,  eu ganho amigos mais novos, mais bonitos e mais inteligentes do que eu...hahaha e isso tudo não tem preço!

Não era bem a ideia, mas isso aqui já virou um post motivacional/ de auto-ajuda, não é!? 😊

Então vamos parar por aqui, mas antes disso vamos fazer um combinado? Se você souber um livro pra me indicar, você pode compartilhar aqui nos comentários? ❤

*últimas considerações 



Se eu não fosse tão xófen de espírito...rs eu não seria tão ligada à minha prima gêmea quase 10 anos mais nova que eu...😍


Nem jogaria totó valendo a mãe com os meus primos...




Nem brincaria na lama na falta de um solzinho pra nadar na piscina...


Também não iria beijar o pão na reunião com os amigos da faculdade...



Nem passaria dias falando com a minha prrrimuxa Letícia sobre os livros que lemos, estamos lendo e aqueles que vamos comprar pra um dia, se Deus quiser, conseguir ler...hahaha


Bom, é isso... fica aqui a foto do meu crachá na firma pra mostrar que eu tô quase entrando pra Marvel/ Liga da Justiça...rs e fica também o desejo que você consiga aproveitar da melhor forma possível o seu lado adolescente! Garanto que é sensacional!

Um abraço, 
P!





Amamos séries, não amamos?


Nos últimos meses assisti uns 3 filmes, no máximo, mas olha... foi complicado. Uma hora e meia, duas ou três horas nunca são o suficiente pra mim. Sempre fico com a sensação de que o filme acabou do nada e com aquela curiosidade absurda de saber o que vai acontecer com os personagens.

Por isso, tenho devotado meu tempo a assistir o maior número de séries possível. Como eu me apego MUITO FÁCIL aos personagens (acontece com os de livros também) fica mais fácil matar um pouquinho da saudade deles assistindo 20 episódios e 3 temporadas, por exemplo. Consigo ir passando pelos estágios do luto antes mesmo da série terminar de vez.

Já disse aqui no blog que minha série favorita da vida é ♥Homeland♥, por muitas razões, mas principalmente por motivos de Peter Quinn (já falei isso também, eu sei).

Peter Quinn, senhoras e senhores.


Mas como não dá pra viver só de Homeland, continuo a saga de encontrar novas séries que façam meus olhinhos brilharem. Do fim da última temporada de Homeland que assisti pra cá, já acompanhei um pouco de The Americans, Dexter, Black Orphan (ainda assistindo) e Outlander.

Dessas todas, Outlander já tem um lugar especial no meu coração,  por muitos motivos:  

- Pra começar, eu sempre achei que amava o inglês britânico, mas estava enganada, o escocês é sensacional/ maravilhoso/demais/ coisa linda...hehehe (pena que não é algo que eu tenha...tsc tsc). Eu já conhecia o sotaque deles, mas nunca tinha tido um contato tão constante assim, to apaixonada.

- Além disso, as paisagens são de tirar o fôlego, sugiro que você dê uma olhada numas fotos das "Scottish Highlands" na internê. É só lugar maravilhoso, juro! Eu só tinha ficado fascinada assim quando assisti Vikings (também muito legal, por sinal). 

- Se não fosse o bastante, a história é baseada numa série de livros (comecei a assistir  porque ouvi falar dos livros na verdade) e todo o cenário e figurinos são da época de 1700 +/-.

- Pra colocar uma cereja no topo do bolo, Outlander ainda tem um toque de romance! 

Ou seja, tô gostando muito! Amo tudo que tem paisagem bonita, roupas de época, tudo que épico e romântico (acho que nasci na época errada...rs).

Eita, mas porque eu tô escrevendo isso aqui no blog? hahaha

Juro que acabei de me perguntar isso...rsrs Não sei o motivo de falar das séries, mas deve ter algo com essa conexão louca que a gente, vez ou outra, faz com os personagens e as vidas e possibilidades que eles tem e a gente não ou vice versa!


Pra terminar o post, vale colocar uma foto minha na Escócia só pra ficar com muita saudade, não é mesmo?




Um abraço,

P!



terça-feira, 14 de fevereiro de 2017

Tô chocada

Era apenas mais um dia normal até eu decidir olhar o Instagram e me deparar com uma certa imagem que mexeu comigo...




Eu já estava preparada para as fotos de comida, as selfies, as fotos dos bloquinhos de carnaval que já começaram, namoradinhos juntos no melhor estilo 'pré Valentine's Day" e tudo mais... Mas não esperava usar o Insta pra refletir sobre  a minha vida... 

Priscila, mas qual é a frase? Vai deixar a gente na curiosidade mesmo, menina?


Calma... Olha ela aqui! 


A frase diz algo mais ou menos assim: "O que você quer... que você já têm?" E pra ser sincera, pra mim, foi pior que um tapa na cara!

Não sei o motivo ainda, mas tenho pensado muito sobre ser grata e apreciar algumas situações da vida... (ui ui ui, lendo essa frase dá até pra pensar que eu sou super evoluída...rs) Porque, pra falar a verdade, com o lance de ficar doente e passar por um monte de situações complicadas eu fiquei muito 'mimizenta'! Fazer mimimi vez ou outra: ok. Fazer mimimi sempre: not ok, certo?

Chegou a hora de tomar as rédeas de algumas coisinhas que deixei de lado e aproveitar mais a vida, né? A gente só tem quase 30 por pouco tempo, então vamos fazer valer! hehe

Por isso estou fazendo uma listinha mental das coisas que já tenho e apreciando um bucadinho mais a vida! E que eu siga assim! 

E você? Já parou pra pensar que as algumas coisas que você quer muito, mas na verdade você já tem?

Um abraço procês (meu lado mineiro está super aflorado hoje...rs),

P!




quarta-feira, 1 de fevereiro de 2017

Estamos de volta!

Querido 2017, já é fevereiro, eu sei. De qualquer forma, queria dizer que só reparei agora que estou pronta pra você!

2016 não foi tão bonzinho como eu esperava, e você pode não ter tão legal comigo também. De qualquer forma estou aqui e a jornada de janeiro, mesmo curta, já me ensinou muito.

Vou continuar jogando o jogo do feliz esse ano e vez ou outra posso aparecer aqui pra dizer que nem tudo está correndo como eu planejava, mas a vida é assim mesmo, não é?


Apenas admirando o ano que está por vir...hehe :)


Espero que 2017 já tenha começado pra você também e que apesar das loucuras da vida você esteja firme e forte aí do outro lado.


Um abraço,

P!



terça-feira, 13 de dezembro de 2016

Este ainda não é um post sobre o encerramento do ano

Olha só, quem voltou pro blog, galerinha... Isso meixxxxmo...rs Eu!



Gente, quanto mais eu falo que quero postar e faço mil promessas aqui, mais eu demoro pra aparecer com  um post novo, né? Por isso, chega de mentiras...hahaha Posto quando der e você lê quando der também, certo? rs

Bom, 2016 foi um ano "caixinha de surpresas" pra mim, na verdade acho que foi um pouco assim pra muita gente. Mas é aquela velha história, tudo é experiência e tudo tem um motivo pra ser, não é mesmo? Huuum... Então... Nem tanto... Na verdade, não.

Todo mundo me diz que as coisas tem uma razão, uma lição e que por trás de tudo existe um ensinamento.  A questão é que no meio de tudo que estou vivendo ainda não entendi a grande lição, viu? Na verdade, nenhuma lição. Sigo doente, praticamente pelo terceiro mês seguido e passando por uma fase confusa. Saúde ruim, emoções ruins, dificuldade de me relacionar com as pessoas. (Que fase!)

Às vezes parece que eu estou no cinema, saí da sala pra comprar algo e voltei pra sala, mas o filme já avançou tanto que nem consigo mais acompanhar.


Minha reação.

Por isso, tem dias que fico meio desesperada querendo acompanhar o filme, entender cada cena e os porquês de cada detalhe... Outros dias são mais tranquilos, eu consigo rir de algumas partes do filme e até me sinto conectada com alguns personagens. É claro que também tem dias que eu mal olho pra tela.

Mas de uma coisa eu sei, todos os dias estou na sala de cinema e eu sei que em algum momento eu terei aquele insight que me ajudará a entender melhor o filme e logo logo eu sairei dessa sala prontinha (ou quase pronta, pelo menos...rs) pra assistir o filme de 2017.

É isso...


Vamos continuar brincando de Pollyana até esse filme acabar, certo?!

Um abraço,

P!